• Quinta das Andirobeiras

Processo tradicional de extração do óleo de andiroba

Atualizado: 6 de jun. de 2021

De forma tradicional, a extração do óleo obedece a um longo e trabalhoso processo que pode durar mais de trinta dias. Na região Amazônica, essa tarefa, quase sempre, é reservada às mulheres e ocorre longe de olhares curiosos.


Olá amigos, amigas e clientes Quinta das Andirobeiras! Bem-vindos! Com muita satisfação, acabamos de colocar o nosso site no ar. Você já deu uma olhada em todas as páginas? o que você achou? conta pra gente! e se tiver gostado não esquece de compartilhar com os amigos, viu? Esperamos ver muito você por aqui, será sempre um prazer. Estaremos constantemente trazendo novidades e conteúdos relevantes sobre produtos naturais, práticas sustentáveis, sabores e riquezas da amazônia, gastronomia, agricultura ecológica e muito mais.

Como não podia deixar de ser, nosso primeiro post vai tratar daquela que foi homenageada no nome da nossa propriedade e da nossa empresa. Claro, a andiroba! Mais especificamente vamos falar da extração artesanal do seu óleo, um dos principais produtos de origem amazônica, reconhecido como produto terapêutico natural. Então, vamos ao texto. Boa leitura!


Processo tradicional de extração do óleo de Andiroba:


A Andirobeira (Carapa guianensis) é uma árvore de grande porte que pode chegar a 30 metros de altura, é nativa da floresta amazônica e seu nome deriva de ãdi'roba, termo Tupi que significa "óleo amargo", numa referência ao óleo extraído das suas sementes.

O óleo de Andiroba, famoso por suas propriedades medicinais e cosméticas, é obtido por um processo de prensagem, mais comumente utilizado na indústria, ou pelo método tradicional, há muito utilizado pelas populações tradicionais da Amazônia.

​ De forma tradicional, a extração do óleo obedece a um longo e trabalhoso processo que pode durar mais de trinta dias. Na região Amazônia, essa tarefa, quase sempre, é reservada às mulheres e ocorre longe de olhares curiosos.

O processo artesanal

Depois da coleta em árvores do quintal, no interior da floresta ou mesmo nas margens dos rios, as sementes de Andiroba são cozidas em grandes tachos por, pelo menos, duas horas. Depois de retiradas da água e já frias, as sementes cozidas são colocadas para descansar por um período de quinze a vinte dias. O passo seguinte, um dos mais trabalhosos do processo, consiste na quebra de cada uma das sementes para, com a ajuda de uma pequena colher, se retirar a massa resultante do cozimento da amêndoa da Andiroba.

Na sequência, a massa é amassada com as mãos por aproximadamente trinta minutos até que fique homogênea. Dividida em porções que lembram grandes pães, a massa seguem para um local reservado onde permanecerá por mais quinze dias ou até que não esteja mais liberando óleo. Nessa etapa, a massa de Andiroba fica depositada em um recipiente côncavo e levemente inclinado, de modo que o óleo possa escorrer mais facilmente. Também nessa fase, a massa é remexida diariamente para estimular a liberação do óleo. Por fim, o óleo extraído é filtrado e envasado.


Resultado da sabedoria popular amazônida...

Esse processo de extração do óleo da Andiroba, resultado da sabedoria popular amazônida repassada a cada nova geração, embora longo e trabalhoso, continua a permitir que possamos nos beneficiar dos diversos usos dessa riqueza da floresta..



As andirobeiras da Quinta

Como resultado desse conhecimento popular, nós aqui na Quinta começamos a extração de óleo das sementes das nossas andirobeiras em 2019, embora de lá pra cá tenhamos pesquisado e desenvolvido outras técnicas de extração para facilitar e acelerar o processo e estejamos avançando nesse sentido, ainda em 2021, a maior parte do óleo que comercializamos (veja aqui) foi e está sendo extraído de acordo como o método tradicional aqui descrito.


E ai, Gostou do texto? Deixa um comentário e compartilha com os amigos!

Um grande abraço!

50 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Aguarde...